Se você fechar os olhos quase parece que nada mudou. Mas a verdade é que as paredes continuam a desmoronar a minha, à sua volta. É isso o que eu tenho pra te dizer: eu estou abrindo mão de nós. Por mim. Por amor à mim. Eu não posso mais fazer isso, não posso mais agir como se eu não me importasse. I care. Eu não sinto muito, eu sinto tudo. E isso é uma porcaria. Tô soltando as suas asas e te pedindo pra voar, se quiser voltar daqui a uns mil anos, pode vir. Estou aqui no mesmo lugar, só não garanto que continuarei sozinho. Eu a-m-o você. Você é o primeiro coração a bater com o meu, o primeiro. Tem ideia de como isso pode enlouquecer alguém? E eu espero que seja o último, o único. Aliás, é esta a sensação que eu tenho, de que você vai ser o único coração. Eu não posso mais fazer isso, eu não posso continuar tapando a garganta quando a minha vontade é gritar pro resto da Terra o quanto o meu amor é grande. Sinto muito, ou melhor: eu sinto o máximo, por tudo isso. Por não suportar ver todo mundo em volta de você, sem nenhum espacinho pra mim, tá vendo? Eu que nem gosto de “Inho" fico querendo só um cantinho, um pedacinho, um tiquinho seu, pra me fazer feliz. Quem é que vive de migalhas? E o pior, nem é culpa sua. A culpa é das estrelas, não é isso o que dizem, sempre que os amores são impossíveis? Reza a lenda de que algumas pessoas nascem, para ver o amor, sentir o amor, mas nunca para viver um. Vai ver é o meu caso, o nosso caso, ou só o meu caso contigo. Tá vendo como a coisa sempre termina? Só. Eu só. Você pediu pra eu pular. Pulei. Mas agora que as luzes ascenderam tem mais outras cinquenta pessoas segurando a sua mão. E eu aqui achando que o convite era exclusivo. Pobre de mim, o que também não é sua culpa. Essas são as vantagens de ser invisível, dá pra ficar num cantinho qualquer, que ninguém nota. Olha eu te pedindo um cantinho de novo. Justamente eu que sempre fui: tudo ou nada, cruzo os dedos, faço oração, uso verde torcendo pra que eu seja o seu tudo. Mas a gente já reparou que se eu fosse o tudo, não precisaria escrever isso aqui. Então me sobra ser o nada, nada do que você espera que eu seja, nada do que as pessoas querem que eu seja pra você, nada do que eu quero ser pra nós. Falando nisso, do “nós” eu sou o nó, o só, o pó. Mas disso ninguém tem culpa, parece tudo meio de papel aqui do fundo do precipício, inclusive as cidades. Cidades de papel, já pensou nisso? Igual ao seu amor, que por qualquer gota de chuva ameaça rasgar. Amor não é contrato. Amor não se rasga. Acredite eu já tentei. Tentei rasgar o peito, mas o máximo que eu consegui, foi escrever o teu nome, mais e mais forte. Por isso quem vai subir sou eu. Eu te agradeço, mesmo. Mas é tudo ou nada. E já notamos que tudo é a última coisa que vai acontecer. Boa sorte pra nós. Porque tudo de mim, ama tudo em você. Mas eu estou indo embora. Alguém tem que superar, tá aqui o meu concelho: supere primeiro.”
Ciceero M. 
E então eu me calei, porque as respostas já não funcionavam e os dias haviam ficados complicados. Eu me calei e deixei tudo acontecer naturalmente, e você não soube ver o meu silêncio, você passou a fazer barulho sozinho, e isso ecoava sozinho, era só você, não nós, era sua auto solidão barulhenta, você mesmo se colocava entre os ruídos e me deixava no vazio… Foi assim que acabou.
Lembranças de Ana.  
“19-04-2014
Foi nesse dia curtindo um show de rock que eu tive a certeza do quanto eu amo você, foi nesse dia que eu percebi que você também me ama, foi nesse dia que os nossos olhares se cruzaram de uma maneira incrível e diferente, foi nesse dia que o desejo tomou conta dos nossos corpos, foi nesse dia que o nosso beijo foi intenso e com muito amor, foi nesse dia que você me disse coisas lindas, foi nesse dia que eu me vi sendo sua completamente, foi nesse dia que eu pude perceber que é você que eu quero pra minha vida, e é com você que eu quero viver, viver eternamente.”
Para alguém que talvez nunca irá ler.
“As vezes eu paro a pensar, deitado olhando a luz do luar, esperando a dor ir antes de dormir. É! Minha vida como você pode ver, se resume em um grande clichê. Imprevisíveis, visíveis no dia-a-dia, um amontoado de inacertos. Como eu já havia dito, as vezes paro a pensar, fico pensando, por que de toda aquela tempestade em meu misero copo d’água. Magoa, Incertezas, Inclarezas. Nada dá certo comigo! Eu me questiono, Nada! E em um dos dias que me pus a pensar, olhei e vi a lua, e em um dia cheia ela estava, e em outro menor se transformava. Percebi que a vida também não era fácil para ela, em algumas épocas do ano, ela estava escondida por uma nuvem, como eu, ela precisava de um tipo de mascara. Você já parou para pensar que a lua como nós pode ser um ser que sofre? Já percebeu, que a lua completa, quase não se põe em alerta no céu. Olhava para mim e contrastava a minha vida a dela, porem que tristeza ela guardaria? Ai que agonia. Minha vida esqueci por algum minuto, e quase que entrei de luto. Como ela é triste, seu brilho se esconde atras de uma mancha negra. Os dias passaram, e eu toda noite ia la, na varanda para olhar e reparar no belo brilho do luar que ao longe refletia no mar. E num dia de sol acordei, e rezei: Deus por favor! Todos os dias eu pedi e agradeci por mim, mas hoje, creio que não será assim. Por favor Senhor Deus! Ajude a pobre lua, ela esta solitária. Amem!” E naquele dia algo de diferente aconteceu, um breu surgia o horizonte, onde o brilho do sol vinha a fronte. O que era aquilo? eu me perguntava. Minha querida avó de longe me olhava e logo se aproximava. O que foi meu neto? Ela perguntava. Eu a olhava e dizia: Vovó o que é aquilo? É um eclipse meu neto, quando o sol fica de frente para a lua. Eu sorri como se não fosse parar. Deus ouviu minhas preces e com um brilho no olhar, gritei! Deus deu a lua a quem acompanhar! A noite antes de dormir, não fui para a lua olhar, ajoelhei e me pus a rezar, agradeci pelo sonho da lua realizar, e que pelo menos de tempo em tempo ela tenha com quem conversar.”
O menino que observava a lua.   
“De fato não era só a aparência, mas sim a curiosidade que ele me causava. Seus olhos escuros traziam algo a mais, um segredo talvez! Algo que de fato nunca poderei compreender, mas era algo que me fazia sentir-me curioso, fazia com que os olhos buscassem qualquer que fosse a pista para aquele tal segredo, mas além da curiosidade era admiração, talvez por ser tão parecido comigo, algo parecia se estabelecer entre nos dois e mesmo que aquilo não nós levasse a nada e sabia que ele era diferente de qualquer um, ele era simples na complexidade da palavra.”
Instransparência da curiosidade.  
“Não, meu coração não é maior que o mundo. É muito menor. Nele não cabe nem as minhas dores.”
Carlos Drummond de Andrade.
“Esse negocio de paixão dá um medo.”
Geração Brasil.   
“E é de você que eu lembro quando falam de amor. É em você que eu penso antes de dormir. É você que eu imagino ao meu lado daqui a décadas. É tudo você. Sempre vai ser você. E isso eu já não posso controlar mais, pois é em você que estou pensando agora.”
Cabana dos Sonhos.
“Meu Deus, meu Deus, se eu pudesse simplesmente arrancar meu coração esta noite e fazer com que o vissem.”
Charles Bukowski.  
“Tenho andado distraído, impaciente e indeciso. E ainda estou confuso, só que agora é diferente: sou tão tranquilo e tão contente. Quantas chances desperdicei quando o que eu mais queria era provar pra todo o mundo que eu não precisava provar nada pra ninguém? Me fiz em mil pedaços pra você juntar, e queria sempre achar explicação pro que eu sentia. Como um anjo caído, fiz questão de esquecer que mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira. Mas não sou mais tão criança a ponto de saber tudo. Já não me preocupo se eu não sei por que. Às vezes, o que eu vejo, quase ninguém vê e eu sei que você sabe, quase sem querer, que eu vejo o mesmo que você. Tão correto e tão bonito, o infinito é realmente um dos deuses mais lindos! Sei que, às vezes uso palavras repetidas, mas quais são as palavras que nunca são ditas? Me disseram que você estava chorando, e foi então que eu percebi como lhe quero tanto… Já não me preocupo se eu não sei por que. Às vezes, o que eu vejo, quase ninguém vê. E eu sei que você sabe, quase sem querer, que eu quero o mesmo que você.”
Legião Urbana.   
“Acordei sorrindo e me vieram todas as lembranças felizes que vivemos juntos, me lembrei de todas as madrugadas que eu chorava sentindo a sua falta. Talvez não éramos para dar certo, foi apenas uma boa experiência. E com o tempo eu percebo que sou feliz com outras pessoas… Parei de sofrer por quem nunca se importou com o que eu sentia. Melhor sorrir com quem me faz bem, do que chorar por alguém que se foi sem ao menos dizer adeus.”
Laís Vieira e Gabriel Britto.
“Eu sempre fui feliz com você. E a sua falta ainda me dói todos os dias.”
Robin and Stubb.  
“Faz bem,
Ser o bem de alguém.”
Fabrício Bernardo. 
“Se tudo passa, talvez você passe por aqui.”
Engenheiros do Hawaii   

mists